Você já teve que enviar seu “currículo atualizado” para se candidatar a uma vaga e não sabia qual era a última versão que corrigia aquele errinho de português que não tinha percebido? Acho que todo mundo eventualmente passa ou passará por isso. Não eu. Isso ficou no passado.

Isso sempre me incomodou mais do que eu gostaria.

Nesta série de artigos, será feito um overview com exemplos práticos de utilização das ferramenta da stack ELK da empresa Elastic. ELK será mencionado em diversas oportunidades para simplificar a menção do conjunto de ferramentas desta stack denominada ELK. Cada letra do acrônimo é a inicial das principais ferramentas, como visto abaixo:

  • Logstash - Gerenciador de logs - Coleta dados ou logs de forma seriada de distintas fontes, realiza processamento e roteamento automático;
  • Elasticsearch - Repositório distribuído de documentos - Armazena e processa documentos json. Possui funcionalidades poderosas e ferramentas para consultas e buscar dados em documentos;
  • Kibana - Interface rica para visualização de dados em tempo real - Realiza a camada de apresentação dos dados em consultas feitas a dados armazenados no elasticsearch.

Para estabelecer o entendimento dos conceitos que a stack proprõem-se como solução, também abordaremos conhecimentos básicos de bigdata e ferramentas para interação com a stack.

Para acompanhar todos os artigos desta série veja a tag serie-elk.

Um dos maiores desafios atuais dos desenvolvedores é a implementação agnóstica aos ambientes disponíveis. Mas isso, infelizmente, nem sempre é a realidade, principalmente se você utiliza o Linux em seu desktop ou notebook, e necessita fazer testes em ambientes Windows. Para resolver tais problemas diversos são disponíveis, e grande parte delas envolvem tecnologias de virtualizações de ambientes. Dois são os aplicativos principais no mercado atualmente, o VMWare e o Virtualbox, e por motivos de sinergia entre as ferramentas disponíveis(Vagrant), utilizaremos o VirtualBox.

Nosso primeiro passo será adicionar o repositório do VirtualBox à nossa lista de repositórios, executando o comando abaixo.

echo "deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian $(lsb_release -cs) contrib" > /etc/apt/sources.list.d/virtualbox.list

Adicionado o repositório, também precisamos adicionar sua chave, validando sua confiabilidade. Para tal, execute o comando abaixo.

wget -q https://www.virtualbox.org/download/oracle_vbox_2016.asc -O- | sudo apt-key add -
wget -q -O - http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian/oracle_vbox.asc | apt-key add -

Incluído o repositório e sua chave, é hora de avisar ao apt que existe um repositório novo a ser lido, atualizando sua lista, e instalar o pacote:

sudo apt update --fix-missing && apt install virtualbox-5.1

O pacote do VirtualBox encontra-se instalado, porém é necessário instalar suas extensões para ter acesso a diversos recursos disponíveis do pacote, como habilitar dispositivos USB nas máquinas convidadas, diretórios compartilhados, melhorias nos dispositivos gráficos, entre outros.

Para tal, execute a linha de comando abaixo, que baixará a última versão disponível neste data, no site do VirtualBox.

http://download.virtualbox.org/virtualbox/5.1.22/Oracle_VM_VirtualBox_Extension_Pack-5.1.22-115126.vbox-extpack

Baixado o arquivo, execute o comando abaixo para instalá-lo!

sudo VBoxManage extpack install Oracle_VM_VirtualBox_Extension_Pack-5.1.22-115126.vbox-extpack --replace

Com este post, desisto oficialmente do wordpress. Poderia perder meu tempo explicando por que esse software é escroto, mas depois de passar quatro seguidos anos pelo mesmo problema, desisto. Volto feliz para aos geradores estáticos, e talvez consiga escrever com mais frequência.